quarta-feira, 24 de março de 2010

BOLACHAS ENTRE TAPAS E BEIJOS

SE A CUBA é libre, por que Fidel mantém a dita dura? Não sei, não quero saber e tenho raiva de quem sabe. Eu só sei que a minha confidente com trânsito livre na bolacholândia da terra de Figueira, Frederica Evandra, me contou um bafonzão e que merece registro. Segundo ela, Roginalda Beiçuda (by nome fictício) foi flagrada pelo seu pai trocando batom com uma coleguinha Mabel ding dong blau blau prato de mingau, em barzinho do suburby. O velho que havia parado ali para “tomar uma fresca” detonou um copo num gole só e os seus olhos não quiseram acreditar. Pois é, mas diante daquela cena, o paizão que grita na ignorância já foi rodando a baiana e arrastando a filhota Mabel para o seu carro. Foi então que o tempo fechou e o pau comeu na casa de Noca. Como a namorada não sabia que era o pai de Roginalda Beiçudada já entro logo dando um socão da roça na pança do velho. O que se viu dali em diante foram catiritapas, pombos sem asas, unhadas, mordidas e gritinhos frescurais da irmandade cor de rosa shocking e purpurinada da Princesinha do Norte. Resumo da ópera, depois que a namorada Mabel ficou sabendo que estava brigando com o futuro sogro, correu para dentro do banheiro e foi se limpar da cagada que havia feito. Enquanto isso, a Roginalda Beiçuda ficou quietinha dentro do carro e no caminho para casa nem olhou para o papai que falava o tempo todo que iria arranjar-lhe um namorado hetero. Só que no Day after, ela se encontrou com a namoradinha e tudo continuou como dantes no quartel de Abrantes.
Abafa o caso!

Nenhum comentário:

Postar um comentário